Retorno ao Escritório

Quais investimentos a empresa precisa fazer para uma retomada segura?

Com a flexibilização do isolamento social, a volta presencial dos profissionais aos escritórios está ocorrendo aos poucos em inúmeros estados do Brasil. A medida, que surgiu a partir da diminuição do número de casos de contágio e mortes no país, pede ajustes e o cumprimento de medidas rigorosas para garantir maior segurança aos colaboradores e clientes. 

Ainda assim, tendo em vista que a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus impactou as atividades de empresas de diversos setores da economia, o processo de retomada representa esperança para os executivos. 

Pensando nisso, nosso blog resolveu reunir neste artigo as principais dicas de de investimentos que precisam ser feitos para a retomada presencial dos seus colaboradores aos escritórios físicos. Confira.

Mas, afinal, é o momento certo para retornar aos escritórios presenciais?

Antes mesmo de considerar-se apta e elaborar estratégias para retomar às atividades presenciais da sua empresa, é preciso investigar e descobrir o status atual do município frente ao contágio e aos novos casos de coronavírus, bem como as determinações governamentais.

O governador do estado de São Paulo, João Dória, por exemplo, divulgou o plano do estado (que você pode conferir aqui) para a contenção do novo coronavírus e atualiza, semanalmente, o status de cada um dos seus municípios, bem como as liberações para cada um dos setores de atuação. 

A retomada presencial aos escritórios deve acontecer de modo seguro e responsável e, portanto, é preciso analisar todo o contexto atual enfrentado pela cidade, estado e país, para analisar o retorno de atividade da sua empresa.

Além disso, é importante também avaliar, junto ao time de Recursos Humanos, se os seus colaboradores estão aptos para o retorno e, inclusive, pensar em estratégias alternativas para aqueles que pertencerem ou conviverem com o grupo de risco. 

Quais investimentos são necessários para uma retomada segura aos escritórios presenciais?

1 – Aumento na frequência de limpeza nas áreas internas e externas da empresa;

A limpeza e a higienização diária das áreas internas e externas da empresa, é de extrema importância no processo de retomada presencial aos escritórios. Afinal, o vírus se propaga facilmente e pode sobreviver numa determinada superfície por horas e até mesmo dias. 

Portanto, se a sua empresa não costumava investir na contratação de auxiliares de limpeza, bem como em limpezas diárias, este deve ser o primeiro grande desafio. À respeito dos produtos eficientes na eliminação do coronavírus, a Anvisa recomenda apenas desinfetantes comuns e água sanitária. São necessários dez minutos de contato para inativar os microrganismos.

Existem algumas opções que podem ser exploradas pela sua empresa neste caso:

  • terceirização do serviço de limpeza;
  • contratação de mais colaboradores para a equipe fixa;
  • rodízio de colaboradores por escala;

2 – Implantação de totens para a higienização das mãos pelo álcool em gel;

O álcool em gel é um outro grande aliado no combate ao coronavírus e imprescindível no processo de retomada presencial aos escritórios. A implantação de totens para a higienização das mãos logo na porta de entrada é a medida mais comumente adotada pelas marcas.  

São inúmeras as empresas disponíveis no mercado e que oferecem a personalização do serviço. Na grande maioria dos casos, o totem pode até servir como objeto de exposição da marca, além de garantir maior segurança e evitar que o vírus adentre o seu escritório. 

3 – Contratação ou remanejamento de colaboradores para a medição de temperaturas;

Um dos meios de evitar que colaboradores contaminados ou assintomáticos, adentrem os escritórios e coloquem em risco a saúde dos demais, é medir a temperatura destes logo no hall de entrada.

O coronavírus tem como um dos sintomas a febre e, por consequência, todos aqueles colaboradores que apresentarem o quadro devem ser impedidos de trabalhar presencialmente e encaminhados para o isolamento. 

Assim, contratar ou designar um colaborador, seja ele o segurança do prédio ou não, para desempenhar esse papel, é importante.

4 – Aquisição de tapetes especiais para a higienização dos sapatos;

Juntamente com os totens de higienização por álcool em gel, os tapetes especiais sanitizantes para limpeza dos sapatos devem ser disponibilizados no hall de entrada.

O tapete – tipo capacho e composto por fibras de vinil ou de outros materiais de alta resistência – é capaz de suportar soluções desinfetantes para higienização dos solados de calçados.  O tapete sanitizante é inspirado no tapete pedilúvio, muito usado para desinfecção de calçados na indústria alimentícia, em frigoríficos e abatedouros.

A função deles é eliminar eventuais vírus, bactérias ou agentes contaminantes dos solados de quem adentra aos ambientes. No entanto, há diferenças entre eles e para que o objetivo seja alcançado é preciso saber como funcionam e quais as recomendações de uso.

5 – Compra de máscaras para serem distribuídas aos colaboradores;

O fornecimento de máscaras de proteção no combate ao novo coronavírus aos colaboradores passou a ser obrigatório por parte dos empregadores, sob pena de multa. A medida foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União do dia 8 de setembro.

Para tanto, ainda que os seus colaboradores sejam orientados a levar consigo a própria máscara, reutilizável ou não, a sua empresa deve estar abastecida para disponibilizá-las gratuitamente para colaboradores e clientes, caso seja necessário. 

É possível optar entre diversos tipos de máscaras, veja a seguir as principais diferenças entre ambas:

  • Cirúrgica descartável: Feita de um material chamado “não tecido”, é a mais popular, encontrada nas farmácias. 
  • Modelo N95: É elaborada para profissionais de saúde, pois impede a passagem de partículas pequenas contaminantes, como os aerossóis (expelidos geralmente durante o processo de intubar ou aspirar o paciente). 
  • Máscaras de tecido: ainda que a opção caseira seja fortemente recomendada, os tecidos normalmente não possuem a trama fechada o suficiente para barrar pequenas partículas com o vírus para o ambiente, mas elas ajudam a impedir que partículas maiores entrem no seu organismo. Para tanto, esse modelo de máscara pode não ser tão eficaz quanto os demais.

6 – Impressão de cartazes e material gráfico de prevenção para dispor em locais estratégicos na empresa;

A comunicação interna tem papel de destaque no processo de retomada presencial aos escritórios. Isso porque, como o contexto atual ainda é de novidade, muitos colaboradores precisam ser reeducados para seguir as novas normas de prevenção ao contágio no ambiente de trabalho. 

Assim, cartazes que indicam os postos de higienização, as marcações de distanciamento social, permanência no local e até mesmo se determinada área está apta ou não para o acesso, devem ser impressos e dispostos estrategicamente de modo que possam ser visíveis para todos.

7 – Treinamento virtual de autocuidado para os colaboradores;

A retomada presencial aos escritórios requer, antes de mais nada, a conscientização dos colaboradores acerca do novo normal e das novas regras de convivência no trabalho. 

Para isso, é importante investir em treinamentos virtuais que indiquem a nova cultura e os novos cuidados a serem seguidos. Assim, antes mesmo de adentrar o escritório, os colaboradores estarão cientes sobre o que pode ou não ser feito e poderão evitar riscos de contágio e garantir maior segurança para todos.

8 – Terceirização de controle de ponto eletrônico;

Os painéis físicos de controle de ponto estão totalmente fora de questão no processo de retomada aos escritórios. Afinal, os painéis físicos exigem o contato físico com o aparelho e, portanto, oferecem risco de contágio para os seus colaboradores.

Investir em softwares de controle online é uma alternativa. São inúmeras as soluções disponíveis no mercado que oferecem praticidade e segurança para a sua empresa e para os seus colaboradores. 

Dentre as marcas mais conhecidas estão:

  • Ponto Mais;
  • Ponto Fácil;
  • Genyo;
  • PontoGO.

9 – Aquisição de software para gestão das escalas de trabalho e de presença de pessoas no local;

A retomada presencial aos escritórios será uma realidade para muitas empresas que tiveram o seu negócio prejudicado em detrimento do isolamento social e que precisam, mesmo que em modelo readaptado e capacidade reduzida, voltar ao escritório. Assim, um dos pontos de atenção está na quantidade reduzida de pessoas no escritório e na rotatividade das equipes. 

A solução Espaços desenvolvida pelo Escala, em conjunto com o Hospital Israelita Albert Einstein, permite a criação de escalas de trabalho eficientes, bem como layouts de salas de acordo com as regras de retomada impostas pela OMS, por meio de uma interface web.

10 – Contratação de Vale-Refeição para empresas que ofereciam alimentação no local.

Para evitar aglomerações e restringir o acesso dos colaboradores aos espaços fechados, é importante repensar o plano diário de refeições. Empresas que, antes da pandemia, costumavam oferecer alimentação na própria empresa, devem evitar o modelo e estudar a implementação temporária dos cartões vale-refeição.

Afinal, com um vírus tão perigoso quanto o Covid-19, a contaminação pode ocorrer até mesmo no manuseio de alimentos e preparo das refeições, o que representaria um risco de contágio em massa imenso para a empresa em questão.

Além do mais, com a existência de tantos aplicativos de delivery, a opção oferecia mais conforto e versatilidade para os seus colaboradores e a sua empresa não teria que se preocupar com a compra e armazenamento de produtos perecíveis. 

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *